A Comissão de Incentivos do governo do Estado se reuniu na tarde e noite desta quinta-feira (25) e apreciou os pedidos de incentivos fiscais para a implantação e ampliação de indústrias no Estado.

 

No total, foram aprovados incentivos para seis novas indústrias.

 

A industrialização de óleo de palma (a partir do dendê) teve três empresas atendidas e o açaí, duas indústrias (veja quadro abaixo).

 

Na abertura da reunião, o presidente da Comissão, Adnan Demachki (titular da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia) lembrou que a concessão de incentivos fiscais integra uma ampla política de desenvolvimento estadual, com ações integradas no âmbito do Programa Pará 2030, que prevê a verticalização em 14 cadeias produtivas, com foco na geração de empregos, sustentabilidade ambiental e geração de emprego e renda, sobretudo em municípios com baixo índice de progresso social.

 

Integram a Comissão os titulares das secretarias do Desenvolvimento Econômico, da Fazenda, do Meio Ambiente, da Agricultura, da Ciência e Tecnologia, da Educação, e ainda da Companhia de Desenvolvimento, do Banco do Estado do Pará e Procuradoria Geral do Estado.

 

AÇAÍ

 

O açaí é o grande destaque do Pará 2030, com ações diretas da política industrial criada em 2015, para verticalizar a produção.

 

Em 2015, as empresas paraenses somente exportavam polpa de Acaí, praticamente com zero grau de industrialização.

 

Com o Pará 2030 surgiu a política industrial do Aca, que também contempla incentivos para indústrias que agreguem valor e se estabeleçam em municípios com baixo IDH´.

 

Na reunião da Comissão de Incentivos, ontem, duas empresas dessa cadeira foram beneficiadas: a Xingu Fruit Polpas de Frutas e a Nature Amazon Indústria, Comércio e Exportação, ambas de Castanhal.

 

Elas se juntam a outras oito já incentivadas, em Castanhal, Igarapé-Miri, Abaetetuba e Barcarena e Mocajuba. Uma dezena de novas indústrias de Acaí, com elevado grau de agregação de valor que receberam incentivos do Estado.

 

O Secretario Adnan citou dois exemplos emblemáticos. A maior do Brasil, a Frooty Acaí, levava polpa de Acaí e industrializava no interior de SP. Agora, está implantando sua indústria em Mocajuba e vai gerar 250 empregos. A outra, paraense, a Bonny Acaí, levava polpa pra Itaipava, no RJ, e lá gerava empregos na industrialização. Agora, está se implantando em Igarapé-Miri, gerando aqui 150 empregos.

 

PALMA

 

Uma das empresas que teve o pleito aprovado na reunião foi a Vila Nova Agroindustrial LTDA, que vai se instalar em Tome-Açu para refinar óleo de palma.

 

A Vila Nova vai gerar 191 empregos no primeiro ano, com previsão de chegar a 249 no quinto ano de operação. O investimento, de 182 milhões de reais, vai processar 49 toneladas/ano de dendê e receberá 95% de isenção de impostos por quinze anos para realizar um antigo sonho da região.

 

“Anos atrás, o então presidente Lula disse em Tomé-Açu que aquele município seria o polo brasileiro de palma”, lembrou na reunião o secretário Adnan Demachki. “Mas, infelizmente, não aconteceu: é agora, com nossa política de incentivos e de atração de novos empreendimentos, que Tomé-Açu e a região ganham de fato uma indústria de peso, gerando emprego e renda de forma permanente.”

 

 

EMPRESAS QUE RECEBERAM INCENTIVOS

 

WM Agroindústria LTDA

Em Moju

Em implantação

Produzirá óleo de palma, palmiste e torta a partir do dendê

161 empregos no primeiro ano

Investimento de 29 milhões de reais

 

Xingu Fruit Polpas de Frutas Indústria e Comércio

Castanhal

Em implantação

Produtos a partir do açaí, como sucos e sorvetes

79 empregos no primeiro ano (128 no quinto ano)

Investimento de 32 milhões de reais

 

 

Nature Amazon Indústria, Comércio e Exportação

Castanhal

Em implantação

Produzirá sucos, sorvetes e derivados a partir do açaí

61 empregos

Investimentos de 12 milhões de reais

 

Marborges Agroindustrial LTDA

Moju

Ampliação (50%) e diversificação da indústria

Ampliará a produção de óleo de palma bruto e refinado e gorduras vegetais

417 empregos

Investimento de 12 milhões de reais

 

Vila Nova Agroindústria

Tomé-Açu

Em Implantação

Fabricará óleos vegetais (bruto e refinado) a partir da palma do dendê

191 empregos no primeiro ano (249 no quinto ano)

Investimento de 182 milhões