PARÁ 2030 | Empresas que produzem polpa de açaí investem em industrialização com apoio do Estado
24723
single,single-post,postid-24723,single-format-standard,tribe-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.2.1,menu-animation-underline,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
1206

Empresas que produzem polpa de açaí investem em industrialização com apoio do Estado

Após firmar protocolo de intenções em 2016 com a Sedeme para transformar sua simples produção de polpa de açaí no Pará numa indústria com produtos de valor agregado, a empresa Frooty Comércio e Indústria de Alimentos decidiu que sua indústria será no município de Mocajuba e já postulou licença de instalação na Semas.

IMG_20170712_152838758 (1)O anúncio foi feito hoje, 12, ao secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki, na sede da Sedeme, responsável por conduzir a política industrial do açaí, com base em critérios de agregação de valor da produção industrial, sustentabilidade do empreendimento e desenvolvimento econômico de municípios com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

“Somente a produção da polpa do açaí e levar essa polpa para industrializar em São Paulo ou outro Estado não interessa ao Estado’’, ressaltou Adnan Demachki, na reunião em que o diretor de Suplementos da Frooty, Carlos Soares, apresentou o projeto industrial de fabricar uma linha de produtos mix de açaí a partir do fruto comprado diretamente de 200 famílias de pequenos produtores rurais de Mocajuba, o que eliminará a figura do atravessador. Ao todo, aproximadas 1.000 pessoas serão beneficiadas com esse processo de produção às margens do rio Tocantins.

IMG_20170712_152909012 (1)A Frooty Alimentos atua há 20 anos no mercado brasileiro com o segmento de fruticultura, sendo 97% de sua produção comercializada no País. Carlos Soares disse que o Grupo tem avançado no mercado exterior exportando 3% da produção principalmente para os Estados Unidos. É justamente para os Estados Unidos que irão os produtos industrializados a serem fabricados com o açaí extraído dos campos naturais de Mocajuba.

“Poderíamos ter ido para qualquer outro município brasileiro, mas queremos Mocajuba pela estratégia de logística que é a produção às margens do Tocantins, pela alta qualidade do açaí paraense e porque nós temos obrigação de apoiar Estados que enxergam lá na frente, com o projeto Pará 2030, não tem como ser diferente’’, ressaltou o diretor de Suplementos, referindo-se à política estadual de incentivos fiscais e ao tratamento institucional garantido pelo Governo do Pará.

‘’Empreender e fazer uma empresa crescer é uma tarefa difícil. Uma das maneiras de contribuir com o setor produtivo, que em muitos momentos precisa de apoio externo, é por meio de políticas públicas de desenvolvimento da economia, entre elas o incentivo fiscal’’, destacou o secretário Adnan Demachki, que frisou a importância da Frooty decidir-se por Mocajuba como sua sede matriz, numa ação impulsionadora da economia local.

Nos últimos meses, a Sedeme vem registrando um acelerado processo de verticalização da cadeia de açaí no Pará. A empresa Goola Açaí, por exemplo, também assinou um protocolo de intenções com a Sedeme, a fim de obter apoio para a planta industrial que o Grupo finaliza em Ananindeua, município da Região Metropolitana de Belém.

IMG_20170712_153219193O empreendimento da Goola está praticamente pronto para produzir itens como o sorbet de açaí, puro, ou misturado com banana e guaraná. Para quem ainda não conhece, o sorbet é um tipo de sorvete mais leve, sem leite, feito basicamente com água e frutas.

Os incentivos estaduais em formato de leis também têm atraído grupos já consolidados na praça estadual. Outro exemplo é o da Amazon Polpas, que há 12 anos funcionando no Pará, mais precisamente em Castanhal, nordeste paraense, projeta um investimento de nada menos do que R$ 36,6 milhões para os próximos cinco anos, destinando cerca de R$ 7 milhões à compra e instalação de máquinas e equipamentos. Em projeto apresentado à Sedeme, a Amazon Polpa se compromete a investir em novos produtos como: açaí liofilizado, bebida mista, sorbet, açaí clairificado e o energético de açaí.

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico analisa os citados projetos com rigor a fim de definir se eles estão adequados à política industrial preconizada pelo Estado. Na prática, quanto maior é o grau de agregação de valor para verticalização da cadeia produtiva, maior é a concessão de incentivos. Além disso, frisou Adnan Demachki, a localização da empresa também pesa no ato de concessão de benefícios, pois quanto mais baixo for o IPS – Índice de Progresso Social – maior percentual de apoiamento ela receberá para se estabelecer em cidades menos desenvolvidas; além de critérios de geração de empregos e percentual das compras e insumos no Pará.

Outra empresa que foi contemplada com a política industrial do Estado é da empresa Bela Iaçá, do Grupo Petruz. Além da polpa de açaí, a Bela Iaçá quer incluir em sua linha de produção o suco e o néctar da fruta. Vale ressaltar que esta empresa está instalada desde 2005 em Castanhal e já fabrica produtos verticalizados, tais com o “bebidamista”, “sorbet” e o próprio sorvete tradicional, entre outras poupas de frutas. Para o projeto em questão, o empreendimento quer investir 19 milhões de reais no próximos cinco anos, sendo 8,2 milhões destinados à compra de novas máquinas e equipamentos necessários para um parque mais moderno.

A Petruz Fruity, também do Grupo Petruz, apresentou à Sedeme o investimento de R$ 10,7 milhões, sendo 4,6 milhões em máquinas e equipamentos, a fim de fabricar novos itens, como o sorbet, sorvete, suco e o próprio néctar. A Petruz Fruity produz bebida mista congelada, além da polpa convencional de açaí, desde sua criação em 2008. Texto e fotos: Ascom/Sedeme.

Nenhum Comentário

Publicar um comentário