PARÁ 2030 | Encontro na Construção Civil tem apresentação das potencialidades do Pará
24736
single,single-post,postid-24736,single-format-standard,tribe-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.2.1,menu-animation-underline,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
1407

Encontro na Construção Civil tem apresentação das potencialidades do Pará

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (SEDEME), Adnan Demachki, representou o Governo do Estado na reunião interinstitucional do Fórum Norte e Nordeste da Indústria da Construção (FNNIC), que ocorre nessa sexta-feira (14), na Federação das Indústrias do Pará (Fiepa). O secretário abriu o evento com a palestra “Pará – Um mundo de oportunidades”. O encontro reúne os sindicatos da indústria da construção civil dos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.

Demachki apresentou a todos os presentes as potencialidades do Estado, as oportunidades de investimento, mas também falou do Pará 2030, planejamento da economia para dar mais segurança jurídica ao empreendedor. Algumas dessas ações atendem todas as áreas, também a construção civil. O Simples Ambiental, por exemplo, lançado há duas semanas, prevê mais agilidade nas licenças ambientais para projetos pequenos e médios”, comentou o secretário. “Além do simples ambiental, para atender também ao setor da construção civil, a Semas nos próximos dias lançará mais um instrumento inédito, que é a declaração de dispensa de outorga de água, a ser obtido in liane, o que vai permitir que os financiamentos individuais na Caixa Econômica para construção ou reforma de casas, tenha mais agilidade na sua construção, já que esse sempre foi um grande entrave do setor”, completou Adnan Demachki.

Sinduscon (1)

“O Pará 2030 veio para dinamizar a economia paraense. Temos que ser maiores que a crise, estamos criando ambiente de negócios favoráveis a Investimentos e trabalhando incessantemente para verticalizar nossa produção”.

Para o presidente do Sindicato da Indústria da Construção do Estado do Pará (Sinduscon-PA), Alex Dias Carvalho, o setor “tem como premissa a defesa de ideais que são importantes para o Brasil. O brasileiro tem em seu DNA a criatividade e a perseverança. O nortista e o nordestino, pelas dificuldades que passa, tem essas características ainda mais latentes”. A mesa principal do evento contou ainda com Fábio Nahuz, presidente do FNNIC, e Nelson Antônio de Souza, vice-presidente de Habitação da Caixa Econômica Federal.

A união do setor da construção civil busca alinhar estratégias, em nível nacional, para ampliar o desenvolvimento das duas maiores regiões do Brasil. Durante o encontro, foram apresentados os números do Minha Casa Minha Vida nos 16 estados, os entraves e o que é necessário para diminuir a burocracia na execução do programa.

Sinduscon (8)

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) promove o encontro do FNNIC duas vezes por ano com o objetivo de desburocratizar e agilizar ações de interesse comum para as regiões norte e nordeste.

O secretário de desenvolvimento econômico fez questão de frisar que o Pará 2030 não é um programa de uma legenda, e sim uma política de estado e que tem que vem sendo encampada pela sociedade paraense. “Não é um programa desse governo e não deve ser ignorado pelos gestores que porventura venham adiante. É uma política de estado, elaborada por vários setores e que visa o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) paraense a longo prazo, para que se iguale à média do PIB brasileiro. É um programa de sociedade”, finalizou Demachki.

Fotos: Ascom Sinduscon

Nenhum Comentário

Publicar um comentário