PARÁ 2030 | Ferrovia paraense é tema de reunião técnica em Brasília
24841
single,single-post,postid-24841,single-format-standard,tribe-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.2.1,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
Depois de São Paulo, foi a vez de Brasília receber a reunião técnica de apresentação do projeto da Ferrovia Paraense, o maior do setor de logística do Governo do Pará e um dos maiores do Brasil. “O encontro em São Paulo teve um caráter mais financeiro, com a participação de grandes executivos e investidores da área de logística, inclusive de outros países”, explicou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Pará, Adnan Demachki (ao microfone). “Já o encontro em Brasília foi de cunho mais institucional, onde reunimos setores governamentais, entidades de classe que representam o setor logístico e instituições de crédito, que são segmentos igualmente importantes para a realização do projeto”, afirmou.

FOTO: AERTON JUNIO
DATA: 07.08.2017
BRASÍLIA - DF

Ferrovia paraense é tema de reunião técnica em Brasília

Depois de São Paulo, foi a vez de Brasília receber a reunião técnica de apresentação do projeto da Ferrovia Paraense, o maior do setor de logística do Governo do Pará e um dos maiores do Brasil. “O encontro em São Paulo teve um caráter mais financeiro, com a participação de grandes executivos e investidores da área de logística, inclusive de outros países”, explicou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Pará, Adnan Demachki (d). “Já o encontro em Brasília foi de cunho mais institucional, onde reunimos setores governamentais, entidades de classe que representam o setor logístico e instituições de crédito, que são segmentos igualmente importantes para a realização do projeto”, afirmou. FOTO: AERTON JUNIO DATA: 07.08.2017 BRASÍLIA - DF

Depois de São Paulo, foi a vez de Brasília receber a reunião técnica de apresentação do projeto da Ferrovia Paraense, o maior do setor de logística do Governo do Pará e um dos maiores do Brasil. “O encontro em São Paulo teve um caráter mais financeiro, com a participação de grandes executivos e investidores da área de logística, inclusive de outros países”, explicou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Pará, Adnan Demachki. “Já o encontro em Brasília foi de cunho mais institucional, onde reunimos setores governamentais, entidades de classe que representam o setor logístico e instituições de crédito, que são segmentos igualmente importantes para a realização do projeto”, afirmou.

Reunidos no auditório da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), representantes de órgãos como Ministério dos Transportes,  Associação Brasileira de Logística (ABRALOG), Banco do Brasil, Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA),  Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga (ANUT), Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A, Governo do Estado do Tocantins e da própria ANTT, entre outros, acompanharam o detalhamento dado por Adnan Demachki sobre o projeto e o andamento dos processos públicos para a viabilização da ferrovia. Os representantes aproveitaram para tirar dúvidas com o secretário, principalmente sobre prazos de concessão e cronogramas de editais.

Ouviram também sobre as empresas que já assinaram termos de compromisso para o transporte de cargas usando a ferrovia, como a Mineração Irajá, que vai usar a logística paraense para o transporte de 20 milhões de toneladas anuais de minério de ferro. Além dela, a Alloys/PA, que se comprometeu a movimentar via Ferrovia Paraense 170 mil toneladas/ano de agregados de alumínio, e a Araguaia Níquel, que firmou compromisso de transportar 54 mil toneladas de ferro e de níquel, além de 130 mil toneladas/ano de carvão.

O secretário repetiu em Brasília o anúncio já feito em São Paulo, confirmando que as empresas Vale e Norks/Hydro, duas gigantes mundiais na extração de minério, assinaram com a ferrovia do Pará compromisso para o transporte de seus produtos. “Não existe ferrovia sem carga contratada e é com alegria que anunciamos também, aqui em Brasília, a exemplo do que fizemos em São Paulo, que a Ferrovia Paraense já tem compromissos de cargas necessários para viabilizá-la”.

“Podemos dizer, numa comparação com um empreendimento comercial, que a Vale e a Norks/Hydro serão nossas ‘lojas-âncora’ e atrairão outras empresas, dando um forte impulso a este empreendimento, que engrandece o Pará e o Brasil”, afirmou Adnan.

Novas reuniões

Depois de Brasília, a agenda de reuniões técnicas e audiências públicas sobre a Ferrovia Paraense prossegue no estado do Pará, com o seguinte cronograma:

15 de agosto – em Santana do Araguaia

16 de agosto – em Redenção

17 de agosto – em Marabá

18 de agosto – em Paragominas

22 de agosto – em Barcarena

23 de agosto –  em Belém

O projeto

A Ferrovia Paraense deverá  cortar a porção oriental do Estado de Sul a Norte em 1.316 quilômetros, conectando-se com a Norte-Sul, permitindo que esta chegue até o Porto de Barcarena, na região metropolitana de Belém, o mais próximo dos grandes mercados consumidores do Pará e do Brasil, como China, Europa e Estados Unidos.

O custo do projeto é estimado em R$ 14 bilhões, considerando os investimentos na construção da própria ferrovia e de entrepostos de carga.

O licenciamento ambiental está sendo conduzido por órgãos estaduais, com chance de o vencedor do certame assinar o contrato de concessão com a licença em mãos. Já existe mapeamento de desapropriações de 770  imóveis ao longo da ferrovia.

A possibilidade de coligação da Paraense com a Norte-Sul, num trajeto de apenas 58 quilômetros entre Rondon do Pará (PA) e Açailândia (MA) – trecho final da Norte-Sul – abre caminho para uma nova alternativa de escoamento de carga em um porto paraense e é um dos atrativos do projeto para a iniciativa privada.

A Ferrovia Paraense cruzará 23 municípios paraenses e tem capacidade de carga de até 170 milhões de toneladas ano.

Por Pascoal Gemaque, da Secretaria de Estado de Comunicação (Secom).

Nenhum Comentário

Publicar um comentário