PARÁ 2030 | Ferrovia paraense é tema de reunião técnica em Brasília
24841
single,single-post,postid-24841,single-format-standard,tribe-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.2.1,menu-animation-underline,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
Depois de São Paulo, foi a vez de Brasília receber a reunião técnica de apresentação do projeto da Ferrovia Paraense, o maior do setor de logística do Governo do Pará e um dos maiores do Brasil. “O encontro em São Paulo teve um caráter mais financeiro, com a participação de grandes executivos e investidores da área de logística, inclusive de outros países”, explicou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Pará, Adnan Demachki (ao microfone). “Já o encontro em Brasília foi de cunho mais institucional, onde reunimos setores governamentais, entidades de classe que representam o setor logístico e instituições de crédito, que são segmentos igualmente importantes para a realização do projeto”, afirmou.

FOTO: AERTON JUNIO
DATA: 07.08.2017
BRASÍLIA - DF

Ferrovia paraense é tema de reunião técnica em Brasília

Depois de São Paulo, foi a vez de Brasília receber a reunião técnica de apresentação do projeto da Ferrovia Paraense, o maior do setor de logística do Governo do Pará e um dos maiores do Brasil. “O encontro em São Paulo teve um caráter mais financeiro, com a participação de grandes executivos e investidores da área de logística, inclusive de outros países”, explicou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Pará, Adnan Demachki. “Já o encontro em Brasília foi de cunho mais institucional, onde reunimos setores governamentais, entidades de classe que representam o setor logístico e instituições de crédito, que são segmentos igualmente importantes para a realização do projeto”, afirmou.

Depois de São Paulo, foi a vez de Brasília receber a reunião técnica de apresentação do projeto da Ferrovia Paraense, o maior do setor de logística do Governo do Pará e um dos maiores do Brasil. “O encontro em São Paulo teve um caráter mais financeiro, com a participação de grandes executivos e investidores da área de logística, inclusive de outros países”, explicou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Pará, Adnan Demachki (d). “Já o encontro em Brasília foi de cunho mais institucional, onde reunimos setores governamentais, entidades de classe que representam o setor logístico e instituições de crédito, que são segmentos igualmente importantes para a realização do projeto”, afirmou. FOTO: AERTON JUNIO DATA: 07.08.2017 BRASÍLIA - DF

Reunidos no auditório da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), representantes de órgãos como Ministério dos Transportes,  Associação Brasileira de Logística (ABRALOG), Banco do Brasil, Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA),  Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga (ANUT), Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A, Governo do Estado do Tocantins e da própria ANTT, entre outros, acompanharam o detalhamento dado por Adnan Demachki sobre o projeto e o andamento dos processos públicos para a viabilização da ferrovia. Os representantes aproveitaram para tirar dúvidas com o secretário, principalmente sobre prazos de concessão e cronogramas de editais.

Ouviram também sobre as empresas que já assinaram termos de compromisso para o transporte de cargas usando a ferrovia, como a Mineração Irajá, que vai usar a logística paraense para o transporte de 20 milhões de toneladas anuais de minério de ferro. Além dela, a Alloys/PA, que se comprometeu a movimentar via Ferrovia Paraense 170 mil toneladas/ano de agregados de alumínio, e a Araguaia Níquel, que firmou compromisso de transportar 54 mil toneladas de ferro e de níquel, além de 130 mil toneladas/ano de carvão.

O secretário repetiu em Brasília o anúncio já feito em São Paulo, confirmando que as empresas Vale e Norks/Hydro, duas gigantes mundiais na extração de minério, assinaram com a ferrovia do Pará compromisso para o transporte de seus produtos. “Não existe ferrovia sem carga contratada e é com alegria que anunciamos também, aqui em Brasília, a exemplo do que fizemos em São Paulo, que a Ferrovia Paraense já tem compromissos de cargas necessários para viabilizá-la”.

“Podemos dizer, numa comparação com um empreendimento comercial, que a Vale e a Norks/Hydro serão nossas ‘lojas-âncora’ e atrairão outras empresas, dando um forte impulso a este empreendimento, que engrandece o Pará e o Brasil”, afirmou Adnan.

Novas reuniões

Depois de Brasília, a agenda de reuniões técnicas e audiências públicas sobre a Ferrovia Paraense prossegue no estado do Pará, com o seguinte cronograma:

15 de agosto – em Santana do Araguaia

16 de agosto – em Redenção

17 de agosto – em Marabá

18 de agosto – em Paragominas

22 de agosto – em Barcarena

23 de agosto –  em Belém

O projeto

A Ferrovia Paraense deverá  cortar a porção oriental do Estado de Sul a Norte em 1.316 quilômetros, conectando-se com a Norte-Sul, permitindo que esta chegue até o Porto de Barcarena, na região metropolitana de Belém, o mais próximo dos grandes mercados consumidores do Pará e do Brasil, como China, Europa e Estados Unidos.

O custo do projeto é estimado em R$ 14 bilhões, considerando os investimentos na construção da própria ferrovia e de entrepostos de carga.

O licenciamento ambiental está sendo conduzido por órgãos estaduais, com chance de o vencedor do certame assinar o contrato de concessão com a licença em mãos. Já existe mapeamento de desapropriações de 770  imóveis ao longo da ferrovia.

A possibilidade de coligação da Paraense com a Norte-Sul, num trajeto de apenas 58 quilômetros entre Rondon do Pará (PA) e Açailândia (MA) – trecho final da Norte-Sul – abre caminho para uma nova alternativa de escoamento de carga em um porto paraense e é um dos atrativos do projeto para a iniciativa privada.

A Ferrovia Paraense cruzará 23 municípios paraenses e tem capacidade de carga de até 170 milhões de toneladas ano.

Por Pascoal Gemaque, da Secretaria de Estado de Comunicação (Secom).

1Coméntario
  • Antonio Magalhães Souza

    13 de outubro de 2017 em 09:02 Responder

    Com certeza esse é um projeto que trará benefício não só para o pará, mas para todo o Brasil.

Publicar um comentário