PARÁ 2030 | Mais dois compromissos de cargas são celebrados com projeto da Ferrovia Paraense
25031
single,single-post,postid-25031,single-format-standard,tribe-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.2.1,menu-animation-underline,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
1309

Mais dois compromissos de cargas são celebrados com projeto da Ferrovia Paraense

Somente nesta tarde de quarta-feira, 13, foram celebrados dois novos compromissos de carga para o projeto da Ferrovia Paraense, conduzido pelo Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme).  Os documentos foram assinados entre o secretário Adnan Demachki e representantes da empresa Mineração Buritirama e ainda da União Nacional da Indústria e Empresas da Carne – UNIEC Pará. Agora, já são oito os acordos celebrados para uso do empreendimento ferroviário para o transporte de cargas destinadas ao Brasil e ao exterior.

‘’A garantia de carga é um dos pilares de um projeto ferroviário. A Ferrovia Paraense se apresenta como solução logística à localização geográfica estratégica do Estado’’, observou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Adnan Demachki, logo após assinar o Termo de Compromisso com a empresa Mineração Buritirama, que possui uma mina de manganês no município do Marabá, e acaba de anunciar a construção de uma planta de sinterização de manganês (processo que compacta materiais) próxima à sua reserva de minério.

Diretor Jurídico, da Mineração Buritirama, Endrigo de Pieri Perfetti, assumiu a obrigação de transportar sua carga de minério sinterizado destinado à exportação, bem como, eventuais insumos atrelados à referida produção, quando a ferrovia entrar em operação, o que é óbvio.

Inicialmente estima-se um volume de carga de 150 mil toneladas por ano, podendo chegar a  300 mil toneladas anuais.

A UNIEC Pará, representada por sua presidente, Karen Cristiane Destro, se comprometeu em fazer o carregamento de 60 mil toneladas anuais. Os Termos de Compromissos ao assegurar o transporte de cargas diversas, de forma objetiva e transparente, criam condições que viabilizam o projeto ferroviário, na prática.

O Pará está mais próximo de mercados como os da Europa, América do Norte, Ásia e Oriente Médio, que qualquer outro ente da Federação Brasileira.  Os Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA), do projeto da Ferrovia Paraense, foram concluídos e aprovados.

O processo de licenciamento ambiental do empreendimento proposto está sob responsabilidade da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), que recebeu o protocolo com o pedido de análise em dezembro de 2016.

O traçado ferroviário tem 1.312 km de extensão, passando por 23 municípios interligando o extremo sul do Pará até o Porto em Barcarena, região que mais produz no Estado. Texto e Fotos: Ascom/Sedeme. 

 

Nenhum Comentário

Publicar um comentário