PARÁ 2030 | Cacau
23688
page,page-id-23688,page-child,parent-pageid-21769,page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,tribe-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.2.1,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
 

Cacau

DESCRIÇÃO

O Pará tem potencial de ser um produtor de cacau diferenciado, não só por suas propriedades físico-químicas e organolépticas superiores, mas também pela excepcional diversidade que possui, com pelo menos 2 mil variedades de cacau nativo. Em 2014, os produtores de cacau no estado movimentaram cerca de R$ 600 a R$ 700 milhões, desde então o Estado tem apresentado crescimento mais consistente e maior produtividade e há perspectivas de que se torne o primeiro em produção até 2030. Nesse sentido, o programa engloba ações que têm por finalidade impactar positivamente a economia do Estado do Pará, mediante a geração de emprego, arrecadação e PIB.

DESCRIÇÃO

O Pará tem potencial de ser um produtor de cacau diferenciado, não só por suas propriedades físico-químicas e organolépticas superiores, mas também pela excepcional diversidade que possui, com pelo menos 2 mil variedades de cacau nativo. Em 2014, os produtores de cacau no estado movimentaram cerca de R$ 600 a R$ 700 milhões, desde então o Estado tem apresentado crescimento mais consistente e maior produtividade e há perspectivas de que se torne o primeiro em produção até 2030. Nesse sentido, o programa engloba ações que têm por finalidade impactar positivamente a economia do Estado do Pará, mediante a geração de emprego, arrecadação e PIB.

CONTEXTO

CONTEXTO

Atualmente, a área de cacaueiros cultivados no Estado do Pará ultrapassa 170 mil hectares em 30 municípios que produzem cerca de 100 mil toneladas de amêndoas, correspondentes a cerca de 40% da produção nacional.

A Bahia, tradicionalmente o Estado líder do setor no Brasil, apresentou forte declínio na produção nas décadas de 80 e 90, e tem se recuperado apenas lentamente, enquanto o Pará tem apresentado crescimento mais consistente e maior produtividade.

Atualmente, a área de cacaueiros cultivados no Estado do Pará ultrapassa 170 mil hectares em 30 municípios que produzem cerca de 100 mil toneladas de amêndoas, correspondentes a cerca de 40% da produção nacional.

A Bahia, tradicionalmente o Estado líder do setor no Brasil, apresentou forte declínio na produção nas décadas de 80 e 90, e tem se recuperado apenas lentamente, enquanto o Pará tem apresentado crescimento mais consistente e maior produtividade.

O QUE PRECISA PRA DAR CERTO?

O QUE PRECISA PRA DAR CERTO?

Valorizar as mais de 2 mil variedades de cacau nativo paraense que possuem propriedades físico químicas e organolépticas exclusivas.

Aproveitar a grande capacidade produtiva do Estado para viabilizar a instalação de novas indústrias.

Valorizar as mais de 2 mil variedades de cacau nativo paraense que possuem propriedades físico químicas e organolépticas exclusivas.

Aproveitar a grande capacidade produtiva do Estado para viabilizar a instalação de novas indústrias.

ÁRVORE DE INICIATIVAS

ÁRVORE DE INICIATIVAS

Árvore-de-Iniciativas-Cacau-1
Árvore-de-Iniciativas-Cacau-2

Iniciativas do Pará 2030

Iniciativas do Pará 2030

ATRAÇÃO DE INDÚSTRIAS PARA VERTICALIZAÇÃO

Atrair indústrias para a verticalização e beneficiamento para maior agregação de valor ao Estado destacando a caracterização do cacau pela origem.

FORMAÇÃO, CAPACITAÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL

Difundir conjunto de práticas de alto rendimento e produção eficiente para uso contínuo dentre os produtores.

CERTIFICAÇÃO

Certificar áreas produtoras, através da criação de uma marca de origem regional, orgânica, sem desmatamento e comércio justo.

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Desenvolver mecanismos eficientes de fomento às pesquisas em áreas estratégicas.

ORGANIZAÇÕES SOCIAIS PRODUTIVAS

Impulsionar formação, fortalecimento e alcance de organizações sociais produtivas, como associações, cooperativas e blocos comerciais.

ATRAÇÃO DE INDÚSTRIAS PARA VERTICALIZAÇÃO

Atrair indústrias para a verticalização e beneficiamento para maior agregação de valor ao Estado destacando a caracterização do cacau pela origem.

FORMAÇÃO, CAPACITAÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL

Difundir conjunto de práticas de alto rendimento e produção eficiente para uso contínuo dentre os produtores.

CERTIFICAÇÃO

Certificar áreas produtoras, através da criação de uma marca de origem regional, orgânica, sem desmatamento e comércio justo.

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Desenvolver mecanismos eficientes de fomento às pesquisas em áreas estratégicas.

ORGANIZAÇÕES SOCIAIS PRODUTIVAS

Impulsionar formação, fortalecimento e alcance de organizações sociais produtivas, como associações, cooperativas e blocos comerciais.

  • 1708

    Projeto da Ferrovia Paraense é apresentada em Redenção

    Um dia depois de Santana do Araguaia, foi a vez do município de Redenção receber a Reunião técnica do projeto da Ferrovia Paraense. O auditório do Sindicomércio recebeu um grande público nessa quarta-feira (16) para ouvir do secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Pará,......

  • Adnan-Secretário-da-Sedeme-7

    Santana do Araguaia recebe Reunião Técnica da Ferrovia Paraense

    Depois de São Paulo (SP) e Brasília (DF), o Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme) deu prosseguimento à etapa de reuniões técnicas e audiências públicas para aprimorar as minutas dos editais da licitação pública para......

  • 1408

    Palestra sobre Ferrovia Paraense atrai engenheiros em Belém

    Profissionais de formação diversas da área de engenharia, voltaram sua atenção à palestra sobre a ferrovia paraense, apresentada pelo secretário estadual de Desenvolvimento Econômico do Pará, Adnan Demachki, na tarde desta quinta-feira, 10, no Centro de Convenções da Amazônia – Hangar. O evento integrou a......

  • O embaixador da Coréia do Sul no Brasil, Jeang-gwan Lee, conheceu nesta terça-feira, 08, o projeto da Ferrovia Paraense e garantiu que vai buscar apoio em seu governo para a sua realização.
“Não consigo ver a não participação da Coréia em um projeto como esse, com essa magnitude e essa importância”, disse o embaixador ao secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Pará, Adnan Demachki. Adnan e Jeang-gwan Lee se encontraram na Embaixada da Coréia do Sul em Brasília. 

FOTO: AERTON JUNIOR / DIVULGAÇÃO
DATA: 08.08.2017
BRASÍLIA - DF

    Embaixador da Coréia do Sul promete apoio ao projeto da Ferrovia Paraense

    O embaixador da Coréia do Sul no Brasil, Jeang-gwan Lee, conheceu nesta terça-feira, (8) o projeto da Ferrovia Paraense e garantiu que vai buscar apoio junto ao governo de seu país para o empreendimento. “Não consigo imaginar a não participação da Coréia em um projeto......