PARÁ 2030 | Floresta Plantada
23609
page,page-id-23609,page-child,parent-pageid-21769,page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,tribe-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.2.1,menu-animation-underline,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
 

Floresta Plantada

DESCRIÇÃO

No Pará, há 225 mil hectares de floresta plantada, sendo 150 mil hectares de eucalipto e 85 mil hectares de Paricá. A cadeia de floresta plantada no Brasil tem como principais produtos derivados celulose, papel, painéis de madeira reconstituídos, pisos laminados, paneis compensados, móveis, carvão vegetal e outras biomassas para fins energéticos

DESCRIÇÃO

No Pará, há 225 mil hectares de floresta plantada, sendo 150 mil hectares de eucalipto e 85 mil hectares de Paricá. A cadeia de floresta plantada no Brasil tem como principais produtos derivados celulose, papel, painéis de madeira reconstituídos, pisos laminados, paneis compensados, móveis, carvão vegetal e outras biomassas para fins energéticos

CONTEXTO

CONTEXTO

Atualmente, ~70% da madeira produzida no Estado se destina a fábrica de papel e celulose da Suzano no Maranhão. E o restante é usado para a produção de MDF, compensados e outros fins.

A Floraplac, localizada no Estado, é a única fábrica de MDF nas regiões N/NE/COe produz cerca de 210 mil m³ de madeira processada (180 mil m³ de MDF e 30 mil m³ de lâminas, compensados e piso). Após a expansão prevista para 2017, a capacidade produtiva será de 600 mil m³ de MDF, requerendo 40 mil ha de florestas plantadas

O fomento a cadeia integrada de floresta plantada pode alavancar o PIB e a geração de empregos no Estado.

Atualmente, ~70% da madeira produzida no Estado se destina a fábrica de papel e celulose da Suzano no Maranhão. E o restante é usado para a produção de MDF, compensados e outros fins.

A Floraplac, localizada no Estado, é a única fábrica de MDF nas regiões N/NE/COe produz cerca de 210 mil m³ de madeira processada (180 mil m³ de MDF e 30 mil m³ de lâminas, compensados e piso). Após a expansão prevista para 2017, a capacidade produtiva será de 600 mil m³ de MDF, requerendo 40 mil ha de florestas plantadas.

O fomento a cadeia integrada de floresta plantada pode alavancar o PIB e a geração de empregos no Estado.

O QUE PRECISA PRA DAR CERTO?

O QUE PRECISA PRA DAR CERTO?

Fomentar a verticalização da cadeia de valor da floresta plantada, com foco nas atividades de agregação de valor posteriores ao plantio e produção de madeira.

Política de incentivos fiscais estadual criada para o fomento de atividades sustentáveis que gerem alto valor agregado à cadeia.

Simplificação e desburocratização dos processos de regularização fundiária e licenciamento ambiental.

Produtos de crédito mais abrangentes que levem em consideração as diferentes necessidades da cadeia produtiva.

Fomentar a verticalização da cadeia de valor da floresta plantada, com foco nas atividades de agregação de valor posteriores ao plantio e produção de madeira.

Política de incentivos fiscais estadual criada para o fomento de atividades sustentáveis que gerem alto valor agregado à cadeia.

Simplificação e desburocratização dos processos de regularização fundiária e licenciamento ambiental.

Produtos de crédito mais abrangentes que levem em consideração as diferentes necessidades da cadeia produtiva.

ÁRVORE DE INICIATIVAS

ÁRVORE DE INICIATIVAS

Árvore-de-Iniciativas-Floresta-Plantada
Árvore-de-Iniciativas-Floresta-Plantada-vert

INICIATIVAS DO PARÁ 2030

INICIATIVAS DO PARÁ 2030

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA

Mobilizar recursos, reformular fluxograma de processos e estabelecer sistema de governança eficiente de modo a titular terras consistentemente e, por consequência, destravar investimentos e produção.

REGULARIZAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Redesenhar fluxograma de processos de licenciamento ambiental de modo a aumentar celeridade do mesmo.

DESENVOLVIMENTO DE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL

Criar e fomentar arranjo produtivo moveleiro no Estado do Pará.

RESTAURAÇÃO FLORESTAL

Desenvolver arcabouço que induza e fomente a restauração florestal por meio da geração de fluxo econômico para o Estado.

INCENTIVOS FISCAIS

Redesenhar política de incentivos fiscais para a cadeia integrada de floresta plantada no Pará de modo a aumentar competitividade em relação a outros Estados.

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Desenvolver mecanismos eficientes de fomento às pesquisas em áreas estratégicas de Floresta Plantada.

ACESSO A CRÉDITO

Adequar ofertas de crédito às necessidades dos atores produtivos, promovendo crescimento consistente e sustentável da cadeia integrada de Floresta Plantada.

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA

Mobilizar recursos, reformular fluxograma de processos e estabelecer sistema de governança eficiente de modo a titular terras consistentemente e, por consequência, destravar investimentos e produção.

REGULARIZAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Redesenhar fluxograma de processos de licenciamento ambiental de modo a aumentar celeridade do mesmo.

DESENVOLVIMENTO DE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL

Criar e fomentar arranjo produtivo moveleiro no Estado do Pará.

RESTAURAÇÃO FLORESTAL

Desenvolver arcabouço que induza e fomente a restauração florestal por meio da geração de fluxo econômico para o Estado.

INCENTIVOS FISCAIS

Redesenhar política de incentivos fiscais para a cadeia integrada de floresta plantada no Pará de modo a aumentar competitividade em relação a outros Estados.

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Desenvolver mecanismos eficientes de fomento às pesquisas em áreas estratégicas de Floresta Plantada.

ACESSO A CRÉDITO

Adequar ofertas de crédito às necessidades dos atores produtivos, promovendo crescimento consistente e sustentável da cadeia integrada de Floresta Plantada.

  • 1110

    Hangar – Centro de Convenções da Amazônia será abastecido com energia solar

    O Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, no bairro do Marco, em Belém, terá 70% do seu consumo de energia elétrica abastecidos com energia solar, num projeto piloto do Governo do Pará, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedeme), em parceria com a Celpa, e as secretarias......

  • público-bom-1

    Potencial paraense é destaque na Exposibram 2017

    Com média de 200 visitantes por dia, o dobro do esperado, segundo balanço realizado pela Diretoria de Mineração, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), o estande do Governo do Pará foi um dos mais concorridos da Exposibram 2017, encerrada dia 21, deste......

  • O presidente da China Communications Constructions Company (CCCC), Chang Yunbo e outros diretores da empresa chinesa, uma das maiores do ramo de infraestrutura do mundo, conheceram nesta sexta-feira, 22, em Pequim, na China, o projeto da Ferrovia Paraense. A companhia, que recebeu o governador Simão Jatene, acompanhado dos secretários de Desenvolvimento Econômico, Adnan Demachki, e de Meio Ambiente, Luiz Fernandes, irá agora aprofundar os estudos e manter contato com o governo paraense para analisar o projeto e estudar a viabilidade de investimentos no Estado. 

FOTO: DANIEL NARDIN / SECOM
DATA: 22.09.2017
PEQUIM

    Governador apresenta projeto da Ferrovia Paraense na sede de companhia chinesa

    O presidente da China Communications Constructions Company (CCCC) para a América do Sul, Chang Yunbo e outros diretores da empresa chinesa, uma das maiores do ramo de infraestrutura do mundo, conheceram nesta sexta-feira, 22, em Pequim, na China, o projeto da Ferrovia Paraense. A companhia,......

  • Diante de uma plateia formada por lideranças governamentais, diretores de empresas estatais e investidores privados dos cinco países membros do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o governador Simão Jatene (e) apresenta neste momento (manhã de sexta-feira, 22), as oportunidades de investimento no Pará, durante o II Fórum de Desenvolvimento, Reforma e Governança do BRICS, em Pequim, capital chinesa. Em seu pronunciamento, Jatene aborda, entre outras iniciativas, o projeto da Ferrovia Paraense, buscando atrair novos investidores para o empreendimento, que vai assegurar para o setor produtivo, não só do Estado do Pará, mas de todo o Brasil, um sistema logístico adequado e eficiente, com resultados imediatos e de longo prazo, com forte impacto positivo na competitividade dos produtos nacionais nos mercados externos e interno, gerando também mais emprego para o Estado.

FOTO: DANIEL NARDIN / SECOM
DATA: 22.09.2017
PEQUIM

    Em reunião do Brics, Pará apresenta ferrovia e potencial de investimento no Estado

    Diante de uma plateia formada por lideranças governamentais, diretores de empresas estatais e investidores privados dos cinco países membros do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o governador do Pará, Simão Jatene, apresentou na manhã desta sexta-feira, 22, em Pequim, capital chinesa,......