PARÁ 2030 | Palma de Óleo
23701
page,page-id-23701,page-child,parent-pageid-21769,page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,tribe-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.2.1,menu-animation-underline,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
 

Palma de Óleo

DESCRIÇÃO

Existem cerca de 170 mil hectares plantados de palma de óleo no Estado do Pará, que produzem cerca de 380 mil toneladas de óleo bruto por ano (mais de 90% da produção nacional e cerca de 60% do consumo do Brasil). Este é um setor de grande criação de empregos, além de ter potencial tanto em óleo para fins alimentícios/industriais e quanto para biodiesel.

DESCRIÇÃO

Existem cerca de 170 mil hectares plantados de palma de óleo no Estado do Pará, que produzem cerca de 380 mil toneladas de óleo bruto por ano (mais de 90% da produção nacional e cerca de 60% do consumo do Brasil). Este é um setor de grande criação de empregos, além de ter potencial tanto em óleo para fins alimentícios/industriais e quanto para biodiesel.

CONTEXTO

CONTEXTO

Os plantios estão localizados primordialmente na região Nordeste do Estado, onde a palma de óleo se expandiu com a perspectiva de uma grande demanda futura para a produção de biocombustíveis fomentada pelo Governo Federal. O plano foi descontinuado poucos anos após seu anúncio, o que desacelerou o crescimento da cadeia.

8 empresas associadas na ABRAPALMA (Associação Brasileira de Óleo de Palma) e demais empresas no mercado movimentando um valor entre R$600 a R$800 milhões no ano de 2014.

Os plantios estão localizados primordialmente na região Nordeste do Estado, onde a palma de óleo se expandiu com a perspectiva de uma grande demanda futura para a produção de biocombustíveis fomentada pelo Governo Federal. O plano foi descontinuado poucos anos após seu anúncio, o que desacelerou o crescimento da cadeia.

8 empresas associadas na ABRAPALMA (Associação Brasileira de Óleo de Palma) e demais empresas no mercado movimentando um valor entre R$600 a R$800 milhões no ano de 2014.

O QUE PRECISA PRA DAR CERTO?

O QUE PRECISA PRA DAR CERTO?

Logística apropriada para o setor, com profissionais qualificados por assistência técnica e pesquisa aplicada na produção.

Simplificação e desburocratização dos processos de regularização fundiária e licenciamento ambiental.

Logística apropriada para o setor, com profissionais qualificados por assistência técnica e pesquisa aplicada na produção.

Simplificação e desburocratização dos processos de regularização fundiária e licenciamento ambiental.

ÁRVORE DE INICIATIVAS

ÁRVORE DE INICIATIVAS

Árvore-de-Iniciativas-Óleo-de-Palma-01
Árvore-de-Iniciativas-Óleo-de-Palma-02

INICIATIVAS DO PARÁ 2030

INICIATIVAS DO PARÁ 2030

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA

Mobilizar recursos, reformular fluxograma de processos e estabelecer sistema de governança eficiente de modo a titular terras consistentemente e, por consequência, destravar investimentos e produção.

REGULARIZAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Redesenhar fluxograma de processos de licenciamento ambiental de modo a aumentar celeridade e transparência.

CAPACITAÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA E ATER

Difundir conjunto de práticas agronômicas de alto rendimento e produção eficiente para uso contínuo nos principais cultivos entre agricultores.

PESQUISA & DESENVOLVIMENTO

Desenvolver mecanismos eficientes de fomento às pesquisas em áreas estratégicas.

CERTIFICAÇÃO / PREMIUMIZAÇÃO

Obter a certificação de origem (RSPO) para a Palma produzida no Estado com o objetivo de abrir mercados e valorizar o produto.

LOGÍSTICA E INFRAESTRUTURA

Garantir acesso às áreas produtoras e melhorar o escoamento da produção.

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA

Mobilizar recursos, reformular fluxograma de processos e estabelecer sistema de governança eficiente de modo a titular terras consistentemente e, por consequência, destravar investimentos e produção.

REGULARIZAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Redesenhar fluxograma de processos de licenciamento ambiental de modo a aumentar celeridade e transparência.

CAPACITAÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA E ATER

Difundir conjunto de práticas agronômicas de alto rendimento e produção eficiente para uso contínuo nos principais cultivos entre agricultores.

PESQUISA & DESENVOLVIMENTO

Desenvolver mecanismos eficientes de fomento às pesquisas em áreas estratégicas.

CERTIFICAÇÃO / PREMIUMIZAÇÃO

Obter a certificação de origem (RSPO) para a Palma produzida no Estado com o objetivo de abrir mercados e valorizar o produto.

LOGÍSTICA E INFRAESTRUTURA

Garantir acesso às áreas produtoras e melhorar o escoamento da produção.

  • 1110

    Hangar – Centro de Convenções da Amazônia será abastecido com energia solar

    O Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, no bairro do Marco, em Belém, terá 70% do seu consumo de energia elétrica abastecidos com energia solar, num projeto piloto do Governo do Pará, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedeme), em parceria com a Celpa, e as secretarias......

  • público-bom-1

    Potencial paraense é destaque na Exposibram 2017

    Com média de 200 visitantes por dia, o dobro do esperado, segundo balanço realizado pela Diretoria de Mineração, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), o estande do Governo do Pará foi um dos mais concorridos da Exposibram 2017, encerrada dia 21, deste......

  • O presidente da China Communications Constructions Company (CCCC), Chang Yunbo e outros diretores da empresa chinesa, uma das maiores do ramo de infraestrutura do mundo, conheceram nesta sexta-feira, 22, em Pequim, na China, o projeto da Ferrovia Paraense. A companhia, que recebeu o governador Simão Jatene, acompanhado dos secretários de Desenvolvimento Econômico, Adnan Demachki, e de Meio Ambiente, Luiz Fernandes, irá agora aprofundar os estudos e manter contato com o governo paraense para analisar o projeto e estudar a viabilidade de investimentos no Estado. 

FOTO: DANIEL NARDIN / SECOM
DATA: 22.09.2017
PEQUIM

    Governador apresenta projeto da Ferrovia Paraense na sede de companhia chinesa

    O presidente da China Communications Constructions Company (CCCC) para a América do Sul, Chang Yunbo e outros diretores da empresa chinesa, uma das maiores do ramo de infraestrutura do mundo, conheceram nesta sexta-feira, 22, em Pequim, na China, o projeto da Ferrovia Paraense. A companhia,......

  • Diante de uma plateia formada por lideranças governamentais, diretores de empresas estatais e investidores privados dos cinco países membros do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o governador Simão Jatene (e) apresenta neste momento (manhã de sexta-feira, 22), as oportunidades de investimento no Pará, durante o II Fórum de Desenvolvimento, Reforma e Governança do BRICS, em Pequim, capital chinesa. Em seu pronunciamento, Jatene aborda, entre outras iniciativas, o projeto da Ferrovia Paraense, buscando atrair novos investidores para o empreendimento, que vai assegurar para o setor produtivo, não só do Estado do Pará, mas de todo o Brasil, um sistema logístico adequado e eficiente, com resultados imediatos e de longo prazo, com forte impacto positivo na competitividade dos produtos nacionais nos mercados externos e interno, gerando também mais emprego para o Estado.

FOTO: DANIEL NARDIN / SECOM
DATA: 22.09.2017
PEQUIM

    Em reunião do Brics, Pará apresenta ferrovia e potencial de investimento no Estado

    Diante de uma plateia formada por lideranças governamentais, diretores de empresas estatais e investidores privados dos cinco países membros do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o governador do Pará, Simão Jatene, apresentou na manhã desta sexta-feira, 22, em Pequim, capital chinesa,......